RC_subconsciente2

Olá pessoal! Essas últimas semanas estive bastante ocupada finalizando um projeto, por isso não consegui postar artigos nesse tempo aqui no blog.

Como também tenho passado por situações pessoais bem específicas, resolvi fazer um post um pouco diferente desta vez. O assunto não é exatamente Arquitetura ou Feng Shui, mas ao mesmo tempo tem tudo a ver. Vamos falar hoje sobre o nosso subconsciente.

What?? Subconsciente, como assim?! É isso mesmo. E como estamos falando deste assunto, este post merece uma linguagem bem informal e emocional. Então vamos lá.

Vocês sabiam que aproximadamente 90% das nossas decisões são respostas emocionais, e apenas 10% são racionais? E quem comanda nossas emoções é o nosso subconsciente, baseado naquilo que a gente acredita. Funciona mais ou menos assim:

Crenças e valores geram pensamentos, que geram emoções, que geram escolhas, que geram ações.

Quando nascemos somos seres puros, sem condicionamento e com todo o potencial latente. Aos poucos vamos adquirindo um conjunto de crenças e valores que nos são transmitidos pelos nossos pais, família, sociedade, cultura, experiências da vida e etc. Esses aprendizados são incorporados no nosso subconsciente e representam aquilo que nós acreditamos. E nós sempre agimos para defender o que acreditamos, independente se for bom ou ruim.

Eu assisti uma palestra do Domi Muller onde ele fala que o subconsciente é como um elefante grande, pesado e preguiçoso. Ele faz o que está acostumado a fazer, e não gosta de mudanças. Imagina o que deve ser então tentar mover esse elefante enorme para um lado que ele não está acostumado a ir?! Quem já tentou mudar um hábito sabe como é difícil… é preciso mexer nas bases, nas nossas crenças, para dar certo.

O nosso subconsciente é como se fosse o piloto automático de nossas vidas. E a grande maioria das pessoas vive no piloto automático. Na verdade é natural que seja assim, ativar o piloto automático e abrir espaço para desfrutar do caminho (agora), ao invés de nos preocuparmos o tempo todo com o destino (futuro). A vida acontece aqui e agora, mas onde estaremos amanhã também importa.

Então se você não procurar conhecer para onde o seu piloto automático está te levando, como vai saber se ele está te levando para onde você quer ir?

Eu levei um choque quando aprendi sobre isso tudo! Tá vendo a importância de se conhecer?!

A minha intenção não é fazer um post sobre psicologia ou algo do tipo, dei aqui apenas um resumo muito enxuto do assunto. Quem quiser saber mais eu super recomendo que vá atrás.

Mas porque eu estou falando sobre isso tudo num site de arquitetura e feng shui??

Tudo que está a nossa volta é informação para o nosso subconsciente. Uma música, mesmo que em outro idioma, está mandando aquela informação para nós, seja de alegria, tristeza, raiva, etc. A melodia pode ser boa, mas se tem uma mensagem triste, captamos a tristeza também.

Agora vamos à arquitetura, tomando o exemplo de hospitais: são espaços onde as pessoas estão doentes e precisam se curar. Mas porque em geral, são ambientes tão hostis?! A cor favorita deles é o branco com verde menta, e ainda com a lâmpada na cor branca (sinto arrepios só de pensar!). Acho que a ideia era inspirar limpeza e saúde, mas não gera nenhum conforto e acolhimento aos pacientes.

Uma vez eu trabalhei em um escritório onde a parede era verde menta, e parecia que todos estavam doentes o tempo todo! Era horrível! A gente não percebe tão claramente esses efeitos em nós, mas eles existem. Então no caso de hospitais, se a ideia é se curar, o ideal é adotar uma arquitetura que estimule isso, que nos faça sentir bem, confortáveis e saudáveis.

Quando vou fazer uma consultoria de Feng Shui, faço um questionário para a pessoa sobre o que ela quer para a vida dela, o que está ruim e o que quer melhorar. Justamente nas áreas de maior problema na vida é a área da casa correspondente que apresenta condições menos favoráveis.

Se você quer que coisas novas aconteçam, mas guarda um monte de coisas antigas entulhando tudo, como vai ter espaço para o novo chegar? Se quer arranjar um novo companheiro (a), mas do lado na cama onde a pessoa deveria estar, não tem espaço ou está encostado na parede, etc, como vai conseguir isso? Em todas as situações o que o seu subconsciente está te dizendo é que você não está preparado ou aberto para essa mudança que tanto quer.

Então se você quer algo diferente, precisa mudar. Porque se mantendo como está, você só vai conseguir mais do mesmo. Quando fazemos modificações em nossos espaços, já corrigindo a mensagem certa para o subconsciente, aos poucos aquilo vai sendo incorporado e as mudanças acontecem mesmo. E não é só do lado de fora, as mudanças acontecem primeiro dentro de nós.

É algo a se pensar, não?

É o tal do subconsciente, o nosso grande elefante branco. Mas ele não precisa ser um transtorno, e até pode ser bem útil, quando aprendemos a lidar com ele.